31.3.05

Donas de casa

Pelo que vi na Ophra, a secretária de estado dos assuntos de gajas nos EUA, e minha privilegiada fonte, "Desperate Housewifes" é a história de cinco mulheres que se ocupam exclusivamente dos seus lares num típico subúrbio americano de classe média alta. Tudo começa com o suicídio de uma amiga de profissão, a indiciar que algo vai mal no reino dos jardins aparados, das tartes e das cortinas floridas. Há a tarada, a divorciada sensível, a perfeccionista, a rica insatisfeita que se delicia com o jardineiro mais novo e a que já foi uma executiva de sucesso. Nos EUA a série é já tão indispensável como o aspirador.

Quando ouvi uma das protagonistas dizer que esperava que "Desperate Housewifes" fosse para as donas-de-casa o mesmo que o "Sexo e a Cidade" foi/é para as solteiras (?) fiquei apreensiva, desconfiada e com vontade de dizer mal a partir do primeiro episódio, só para não se armarem. Ser solteira é giro, nem que o seja apenas intermitentemente, mas ser dona-de-casa é, até na América, aborrecido e inglório. Mesmo sabendo que existem mulheres que o desejam ser por vocação, a condição de desesperada é inevitável na profissão mais antiga do mundo (ex-aequo...).

Quando cá chegar vou ver. Só espero que as tropelias e as aventuras destas donas de casa não venham a dar razão a alguns homens que conheço que com a verdade nos querem enganar e dizem: "Quem me dera ser dono de casa. Grande vida". Este desejo oculto deles só revela a injustiça de que são alvo as verdadeiras donas de casa, ou gestoras do lar como já lhes chamam.

PS - Há uma dona de casa em cada uma de nós. E assim nos tramaram.

4 Comments:

Blogger clark59 said...

Não tenho a menor dúvida de que ser dona-de-casa a tempo inteiro é uma chatice (a não ser, se calhar, para algumas betas da média-alta cujo marido, ou herança, é mais que suficiente para lhe encher a casa de 'coisinhas lindas').
Mas também não vejo razão nenhuma para que as mulheres não possam dar largas àquela coisa de menina: tratar das bonecas (leia-se filhos), e andar no meio das panelinhas (leia-se cozinhar). Tirar ás pessoas o que lhes está no âmago é pecado. Tanto como obrigá-las a fazer o que não querem.

PS. Eu sou 'menino'. Gosto de carrinhos e de pistolas. Qual é o mal?

2:51 da manhã  
Blogger objectiva3 said...

Miga,

Já sabes que nos "intervalos", venho sempre aqui inspirar-me... ;)
Essa nova série televisiva dos "iu ésse of ei" (nomenclatura fixe usada pelo visitante aí de cima),sobre donas de casas, palpita-me que ainda vai dar muito que falar nas nossas tertúlias!!!
Beijos.

3:27 da tarde  
Blogger Lolita said...

Tu tás proibida de ver a essa senhora que tem um talk-show e um rabo do tamanho do Mundo (como o Ego dela)! Dedica-te à RTP memória!

7:04 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Do you think avian flu is going to be a problem ?

I heard it would hit USA & Canada this fall.

Is there anything to the avian flu panic ?

8:57 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home