29.3.05

Febre

Fui à terra na Páscoa. Cada vez gosto mais dela. Não é minha, é dos meus pais, os pais são meus, a terra é minha. Certo?

É frequente nestas idas a Coimbra ouvir estórias da juventude dos meus pais. Desta vez a minha mãe, sentada na sala da senhora Maria, uma senhora que é um mimo, contou que quando tinha 22 anos teve "febre asiática". O que é esta febre não sei e acho que não tem nada a ver com aves... Mas foi um febrão. Acontece que na mesma ocasião o senhor José, falecido marido da senhora Maria, sportinguista e ocioso de gema, teve a mesma febre, a asiática. A senhora Maria, que é um portento de saúde, andou então nessa altura à cabeceira da cama do marido e da cama da minha mãe a afugentar-lhes a tal febre que lhes pôs os olhos em bico.

O senhor José, que estava para Maria, como os pais d'Ele, escreveu na altura um bilhetinho à minha mãe, de doente para doente, que rezava assim:

"Se é doença, ature-a. Se é paixão domine-a".

A minha mãe jamais esqueceu a mensagem. Naquela altura já andava enamorada do meu pai.

Adoro ir à terra.

4 Comments:

Blogger Sony Hari said...

Nem de propósito. Este fim de semana também se falou da febre asiática lá pela minha terra... beijinhos

7:06 da tarde  
Blogger Cerejinha said...

Adorei essa da "Se é doença ature-a. Se é paixão domine-a".
Sabedoria de outros tempos aplicados aos dias de hoje!!!

Não conhecia este cantinho. Gostei. Vou voltar.

7:51 da tarde  
Blogger Lolita said...

Por andas tu?

10:15 da manhã  
Blogger bolaxamaria said...

À terra???!!! À terra?????
É assim que tu tratas a cidade dos estudantes mulher??!!!!
Eu nunca fui fã de Coimbra, mas chamar-lhe "terra" é, no mínimo, deboche de lisboeta empertigada ;)(adoro esta palavra)! Ah pois é!!!
Sapatilhas e cruzetas é que é!! Abaixo os ténis e o cabide!!
Ehehehhehe

7:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home