30.5.05

Topless

Não gosto do topless. Nem de fazer, nem de ver fazer.

Cada vez que se fala neste assunto, ainda hoje ao jantar, sou acusada de puritanismo, conservadorismo e moralismo. Obrigadinha, mas não percebem nada de mim.

Sou talvez mais pura, do que puritana. Gosto de guardar e fazer durar certas coisas e certas ciscunstâncias, mas não sou conservadora. Desafio-me a encontrar uma moral que me proteja a mim e aos outros de mim, mas penalizo-me sempre que dou comigo num caminho moralista; "Eu é que sei", imagem de marca que os que me rodeiam conhecem, é muito mais uma consciência de mim, do que uma consciência do bem e do mal. O meu bem e o meu mal são só meus mas, como tudo o que é minha convicção eu preservo como relíquia, queda-me a língua e a postura para ditar sentenças. Não conseguir estar calada é o meu pecado, e aquele que me há-de levar ao inferno é esta mania de ser transparente.

Até que cheguei recentemente à conclusão (mais uma prateleira que julgo arrumada no meu labirinto de Babel) que cada vez que falo com os outros sobre as minhas teorias estou a aproveitar-me deles para estruturar a minha lógica, revendo-me no meu semelhante; Sozinha não chego a conceber-me, preciso de outros mortais para me seduzir a mim própria. Por outras palavras, os outros são o espelho e eu faço como a Alice, depois volto triunfante e mais esperta.

Isto tudo para dizer que não sou moralista, apenas chata.

O topless é daquelas coisas que eu detesto. Não estou a dar de comer ao tabu religioso do corpo, nem considero imoral andar a mostrar as maminhas, que toda a gente conhece desde que nasceu.

Não é uma questão moral a que persigo neste assunto, é uma questão estética.

O topless é feio. Acredito que algumas mulheres sintam um enorme prazer em fazê-lo, e eu respeito essa opção. Mas é feio gajas, mesmo que as vossas maminhas sejam lindas e firmes e gostem de sentir o sol e as ondas a baterem-lhes (cuidado com o sol na mama!), tapem-nas com um bocadinho de tecido e o efeito será muito mais perturbador.

A esta altura já perceberam que a minha posição não tem nada de moral... Pelo contrário.

Um belo biquini decotado faz muito mais pela vossa beleza que um par de mamilos desgovernados. Protejam-se.

Já adivinho as minhas amigas fãs da libertação mamária a insultarem-me:

"Tu és parva? Mas tu achas que eu faço topless para provocar ou para me exibir? Faço porque me sinto bem e gosto!"

Certo, minhas queridas. Vocês lá sabem. Claro que vocês não andam para aí a exibir-se. Só acho é que desde que saímos das nossas mães até ao velório andamos sempre a exibirmo-nos. É a nossa condenação - livres e expostos.

E já que assim é, ao menos que seja com estilo.

Nu integral das mamas eu só faço quando e para quem eu quero, nunca em público e sempre em privado.

Mas isso sou eu a falar... Já sabem, falo para vocês, mas sobretudo falo para mim. Podem é deixar-me a falar sozinha, claro.

Breve e final nota provocatória: Já repararam que na revista Maxman (aquela que eu aconselho a ler) não há maminhas ao léu? Bonitas só aquelas dos nus artísticos que o Xupacabras nos mostra na sua galeria.

12 Comments:

Blogger bolaxamaria said...

Concordo plenamente.
Acho que aquilo que não se vê desperta muito mais interesse do que aquilo que está à mostra...
Abrir o jogo todo de uma só vez perde a graça toda...

9:27 da manhã  
Blogger O Universalista said...

Bom dia,
respeito a tua opinão, concordo com ela, mas apenas até certo ponto.
Que tu não gostes de fazer topless: óptimo, são gostos pessoais.
Que tu não gostes de ver topless: óptimo outra vez, são gostos.
Tens todo o direito a essa opinião, no entanto acho que criticar desta maneira as pessoas que fazem topless é ser um pouxo extremista. Eu sou homem e faço topless, ando com as maminhas ao léu tal como todos os homens. Se uma mulher se sente bem a fazer toplesse porque razão é que isso é mau? Acho que fazer topless não é sinónimo de provocação ou tentativa de sedução através da exposição.

9:43 da manhã  
Blogger PP said...

Agora, fizeste-me lembrar uma frase de um tipo que eu conheço que diz que "uma mulher vai à praia sozinha, e depois vem de lá acompanhada". nhec
São ideias pré-concebidas. Nem ligo.
O que faz pressupor que uma mulher que vai à praia sozinha quer companhia?
Aqui é a mesma coisa: o que faz pressupor que uma mulher que faz topless está a tentar seduzir alguém?
Mamocas à mostra ou não, tudo depende dos olhos de quem vê. Que haja tipos que se babem todos, lá isso há. Que as mulheres deles não gostam da ideia, também há.
Mas tipos que se babam, é coisa que nós mais temos... ainda por cima sem razão nenhuma.
A malta baba-se, pronto! :o)

10:42 da manhã  
Blogger Roxanne said...

Minha querida, jamais ficarás a falar sozinha, disso podes ter a certeza! Mesmo que discorde totalmente de ti, como é o caso, dar-te-ei sempre troco.
Quanto ao topless, não sou boa a argumentar como tu mas ainda assim vou arriscar a minha defesa: eu gosto muito de ver e mais ainda de fazer. Para mim o topless é belo! Esteticamente poucas coisas me parecem tão belas, tão perfeitas e tão puras como o corpo humano. Para mim, não há outra obra-prima como essa. E os seios femininos, a par dos pés e das mãos, são das minhas partes preferidas. Eu aprecio corpos nus desde que tive altura suficiente para espreitar pelas fechaduras. E o meu espreitar leva-nos à questão da exposição, e ao contrário de ti, acho que desde que nascemos que nos "tapamos", que nos "escondemos", que nos "mascaramos". Por isso há quem se sinta bem com o seu nu (e com o dos outros). Há quem se sinta mais livre, mais confortável, mais completo. Eu pertenço a esse grupo e assumo aqui a minha costela "Lady Godiva" (alcunha de que me orgulho) e agora que já não moro em R/C, ó minha amiga...
Beijinho :-)
(isto foi quase um post..)

12:05 da tarde  
Blogger Lolita said...

Tens toda a razão...n há nada como o efeito surpresa e conservar o mistério!

1:18 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Eu faço parte do grupo de mulheres que usam peles por cima das suas partes mais íntimas.
Quando assim não for,voltaremos a ser animais, e não acho mal. Os machos olham para fêmeas e algo se altera no seu corpo. Sem poderem esperar mais, acasalam mesmo ali. As fêmeas provocam em poses mais ou menos incentivadoras e não há nada que as envergonhe.

Se pensarmos bem, é melhor assim como acabei de descrever, ou seja, todos nús, do que mostrar apenas uma das partes do corpo inspiradora de desejo nos machos. É chato quando vais com o teu marido ou com o teu namorado e ficas mesmo ao pé de uma semi nua. Ainda que as tuas mamas sejam mais bonitas e redondinhas do que as da mamalhuda descaida que as tem ao léu, é normal que ele vá olhar para as dela. Afinal, elas estão ao léu.
Tu própria vais olhar porque, não sendo aquela uma praia de nudistas, aquela pessoa está a fazer nú parcial, e é inevitável olhar, serve inclusive para fazer passar o tempo pensando quando é que os mamilos vão explodir com o calor.
Será o equivalente a fumar cinco maços de tabaco por dia e esperar que não apareça cancro no pulmão.

Toda a gente já deve ter tirado o bikini ou o fato de banho dentro de água. É efectivamente muito agradável. Mas a civilização manda a que tenhamos regras que nos distingam dos animais. A banalização do corpo humano deve ser evitada, não por vergonha ou devido a falsos moralismos, mas porque existe uma coisa chamada higiene fisica e visual que não é respeitada na maioria dos casos, não só nas praias mas em todo o lado.



Leonor

3:41 da tarde  
Anonymous sebastião said...

O que tu queres sei eu!

9:45 da tarde  
Blogger clark59 said...

Um dos fascínios do pensamento é podermos estar completamente em desacordo com pessoas que estimamos.. e continuar a gostar delas. E, diria mais, a compreender o seu ponto de vista.
Dito isto, o corpo, minha amiga, é sedução. Negar isto ou o cheiro dos jacarandás da Objectiva é a mesma grande asneira.

3:39 da manhã  
Blogger PP said...

Chegámos a um ponto interessante: a sedução.
O corpo, só por si, não seduz. Olho para qualquer corpo, de homem ou mulher, e vejo um templo. O local onde nos resguardamos neste mundo que consideramos, se estivermos desatentos, basicamente físico. Não me sinto minimamente seduzida só porque o corpo está mais ou menos nu, por muito belo que seja.
Mas oiço vozes que me seduzem, de pessoas cujo corpo não vejo. Leio livros que me seduzem, os corpos dos escritores não os conheço.
Uma peça de roupa - a mais ou a menos - não faz a menor diferença. Nadinha :o)
E aquilo que a sociedade em geral resolve delimitar como "regra", caso contrário somos uns "animais", não me provoca o menor respeito, tão pouco consideração.
O corpo humano é sempre belo, porque ali dentro reside alguém. Logo, é puro.
Mas podemos torná-lo degradante, se quisermos. Inclusivamente, há até quem ache isso, de certa forma, "poético". Há quem ache um corpo de mulher, vestido com um determinado tipo de lingerie, atraente. E aí entra a sedução mais básica, a mais geral, a mais comum, se quisermos - a que a sociedade aceita como "correcta" - coitada, a moça até está "vestida"... :o)
Aí, sinceramente, acho até triste de tão básico e desinteressante que é.
Mas este é o meu processo de ser seduzida. Não reajo a tentativas de sedução com facilidade. Porque comigo não funcionam, simplesmente.
Em geral, confesso, na praia, alguém que faça topless não me provoca nenhum tipo de reacção. Nem sentimento.
São coisas que me passam completamente ao lado.
Mas a sedução já não me passa ao lado. E aqui volto ao ponto de partida deste comentário (que, pelo tamanho, já parece um post :o)
Nenhum homem tipo "Apolo" me seduz à partida, esteja nu ou vestido. Primeiro, terei de lhe ouvir a voz, saber que coisas gosta, conversar, olhar dentro dos seus olhos.
Nesta perspectiva, olhando agora ao contrário, não há uma boa mamoca que cative mais do que uma mulher completamente sedutora, na sua forma de estar, na sua personalidade, tenha ela o corpo que tiver. Uma mulher segura de si é completamente irresistível, assim como um homem. Aí, sim, com este tipo de estrutura interior, as pessoas são completamente sedutoras.
Por isso, a beleza é relativa, a atracção que sentimos também não é igual para todos.
Agora, imoral [que é isso?] o topless não é!

8:07 da manhã  
Blogger Alice said...

eu acho que a exposição do corpo é algo de quase obsceno. os corpos são feios e devem permanecer sempre cobertos. mesmo em privado.

1:25 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

E as raparigas de calça jeans co cofrinho ao ar...?

4:57 da manhã  
Anonymous Mynameis Noname said...

às meninas que postaram contra o topless so pergunto: Como se sentiram, qd em adolescentes, passaram pelas tipicas cenas dos papas a proibirem vestir aquela mini-saia ou aquele top?
É tudo uma questão de limites e tolerancia, cada um tem o seus
Confesso que acho extremamente erotico uma mulher paseando sua sedução em topless numa praia paradisiaca
E seacho erotico a culpa é minha, nao das mulheres que fazem topless
Se isso me incomoda sou eu quem n dee ir a praia pq ja sei o que la posso encontrar
Se isso incomoda alguma mulher praticante, nao faça topless
Se isso incomoda alguma mulher nao praticante, provavelmente so acontece pq ela n tem coragem de fazer topless
De qualquer modo adoro ver uma mulher em topless na praia, e sim fico a olhar, assim como fico a olhar smp que algo me chama a atenção.
Acho o topless mais excitante que o nudismo mas tb mais excitante que o bikini redusido (so poderia concordar ctg ana se esse bikini redusido estivesse smp a sair do sitio)
Gosto de ver mulheres em topless, mulher elegantes, mulheres gordas, mlheres novas, mulheres velhas, loiras ruivas e morenas, altas e baixas,bonitas e.... nao! Porque todas as mulheres são bonitas na sua maneira, todas merecemo direito a escolha e por todas fico borboletas no estomago na hora de por a sandalea na area

3:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home