22.12.05

espírito de Natal VI

No fim do jantar de Natal do gabinete fomos meia dúzia brindar com uns licores para um bar nada de especial, mas que estava à mão. Na mesa "à la irish pub" acabou por se erguer uma fronteira invisível entre sóbrios, mas pouco, e nada sóbrios, mas muito mesmo.

Na impossibilidade de manter um diálogo entre os dois lados, trégua que nem sequer a má-língua própria dos finais de jantares natalícios laborais conseguiu declarar, resolvemos pelo meu lado, o dos sóbrios mas pouco, darmo-nos à mania de fazer contas ao dinheiro dos outros.

Concentrámos todas as nossas ânsias no próximo ano e naquilo que ele poderá ter de melhor - o prazer de sair de Portugal. Ao início ainda só falávamos de férias, Veneza em Outubro e uma certa praça nos arrebaldes de Florença que ninguém visita por estar fora dos tradicionais roteiros turísticos... Depois, à medida que os copos iam vazando, com os líquidos foram-se também os pudores e começámos a engendrar formas de captar heranças de familiares que nem sequer conhecemos para reunir verbas que nos permitissem abandonar a pátria e viver idilicamente no estrangeiro, mas à grande e à francesa. No caso, seria mais à grande e à italiana e/ou (dependia da herança) à americana (versão Nova Iorque).

O espírito do Natal do futuro estava entre nós. Ao longe, no fundo do copo, uma bela villa na Toscânia chamava por nós.

Hoje acordei com uma valente dor de cabeça. O espírito do Natal do presente chamou-me à realidade.

1 Comments:

Blogger clark59 said...

Na Toscânia não, mas no Brasil alinho
Welcome back, minha linda

1:52 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home